sexta-feira, 24 de junho de 2011

A Casa da Baronesa do Café


Serra da Aratanha em Pacatuba

É a casa mais antiga de Pacatuba. A construção data do século XVIII e serviu de abrigo para os exploradores da Expedição Científica que visitou o Ceará entre 1859 e 1861. 
A expedição que reuniu cientistas e intelectuais de notório saber, visitou as terras nordestinas em busca de riquezas minerais que diziam existir na região. Os componentes da comitiva não encontraram as ricas jazidas de pedras preciosas que vieram buscar, mas realizaram importantes estudos antropológicos e registraram um momento cultural relevante da história do Ceará.
Abarrotados de equipamentos, em caravana, os cientistas da expedição que ficou conhecida como a Comissão das Borboletas, levaram dias para chegar a Serra da Aratanha, domínios dos barões do café, Antônio Costa e Silva e Maria do Carmo Teófilo e Silva, pais do poeta Juvenal Galeno. 


A casa hoje conhecida como Casa da Baronesa fica a meio caminho do ponto mais alto da Serra da Aratanha.  O acesso até o imóvel é através de pelo menos 40 minutos de trilha, íngreme, estreita e monótona. 
Erguida em terras que pertencem a família do escritor Eduardo Campos, falecido em 2007, a casa está desabitada, mas numa parceria da prefeitura de Pacatuba com os familiares, tanto a casa como o terreno de entorno são limpos com alguma frequência.
O casarão não guarda as dimensões que o nome sugere. É simples, mas de paredes robustas. Tem sala, cozinha, corredor, dois quartos e um banheiro. Na cozinha, ainda se encontra o fogão de tijolos e uma pedra que brota do chão, indicativo da maneira de construir uma residência em terreno acidentado como o da serra. 
Sob o chão de madeira de um dos quartos há uma espécie de porão. Na interpretação dos moradores ali era uma senzala onde dormiam os escravos que trabalhavam nas terras da baronesa do café. Os horrores da escravidão são revividos a partir de suas cenas limites, com o açoite de negros e sua moradia insalubre. 
Saídas de ar que dão para fora da casa, seriam provas da existência da senzala.

Pacatuba

A Prefeitura de Pacatuba estuda um projeto de tombamento, fazendo da casa da baronesa um ponto de apoio para quem faz a trilha da Serra de Aratanha, com uma exposição permanente sobre a família do poeta Juvenal galeno e a história do café na cidade de Pacatuba.

Fonte e foto da casa: Revista gente – Setembro de 2010 #01.ano 01 – Fortaleza: Editora Verdes Mares

Nenhum comentário:

Postar um comentário