quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

A Pedra Santa de Independência – Ceará


Nessa região árida são comuns as formações rochosas que se espalham por vários pontos da serra, formando figuras e fendas. Uma delas lembra a imagem de uma santa.

Vistas de perto, parecem simples e grandes pedras acopladas naturalmente umas às outras. Um pouco mais distante e de ângulos específicos, as pedras tomam forma semelhante a uma imagem. De Nossa Senhora, dizem os fiéis. A formação rochosa  fica no distrito de Jandrangoeira,  município de Independência, sertão dos Inhamus.  A designação de Pedra Santa foi dada pelos antigos moradores da região incluindo a localidade de Antônio Bento, a mais próxima da Pedra Santa. Atualmente apenas duas famílias vivem em Antônio Bento.
Os pedidos mais comuns, segundo moradores, são alusivos ao inverno,  pedidos de chuva e água para a região. 
A escassez de água, a aridez do solo, os problemas climáticos e a falta de políticas públicas desfavoreceram o município ao longo da história. Independência se enquadra no polígono das secas e muito tem sofrido por esse motivo. 
De acordo com pesquisas científicas é um dos municípios mais áridos e com maior índice de desertificação do Estado.

Caminho até a Pedra Santa: difícil acesso

Para chegar até a Pedra Santa, é preciso percorrer quarenta quilômetros de estrada de terra, com muitas pedras. Ao todo, é preciso abrir e fechar dez cancelas. Além disso, é necessário andar cerca de 400 metros em um trecho cheio de pedras. A vegetação local é composta de chique-chique, favela, mandacaru e malva, resistentes à seca.
Conforme declaração de um morador, há mais de dez anos, fazendeiros que possuem propriedades na região, teriam pedido aos gestores municipais para não recuperarem as estradas, com receio de roubo de animais, o que acabou contribuindo para o isolamento do local. Hoje, poucos visitam a Pedra santa devido a dificuldade de acesso.
Para o padre Manoel Machado, da paróquia do município, a crença na Pedra Santa é conhecida, apesar de não saber da ocorrência de milagres ou procissões.  Conta ainda, que ali era uma região bem povoada, mas de uns 20 anos para cá, as pessoas começaram a se mudar. Hoje o distrito é tão desabitado que apenas uma festa religiosa ocorre na região, na Vila de Jandrangoeira, na Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

fonte: 
Diário do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário